As unidades de TENS funcionam mesmo?

Será que as unidades de TENS funcionam mesmo?

Se está a considerar utilizar uma unidade TENS para lidar com a sua dor crónica, está provavelmente curioso sobre a questão mais importante em relação a qualquer terapia: se funciona?

Embora as unidades TENS possam não ser a ferramenta certa para cada condição relacionada com a dor, a resposta curta é que sim, as unidades TENS funcionam para reduzir alguns tipos de dor. A resposta longa é que há muito debate na comunidade científica sobre onde TENS é a mais útil. Veja também a nossa análise dos melhores estimuladores musculares no mercado atualmente.

O que é a terapia de estimulação eléctrica transcutânea dos nervos (TENS)?

A estimulação eléctrica transcutânea do nervo (TENS) é uma terapia que utiliza corrente eléctrica de baixa tensão para proporcionar alívio da dor. Uma unidade TENS consiste num dispositivo alimentado por bateria que fornece impulsos eléctricos através de eléctrodos colocados na superfície da sua pele. Os eléctrodos são colocados nos nervos ou perto deles, onde a dor se encontra ou em pontos de desencadeamento.

Como funciona a Neuroestimulação elétrica transcutânea (TENS)?

Existem duas teorias sobre como funciona a Neuroestimulação elétrica transcutânea (TENS). Uma teoria é que a corrente eléctrica estimula as células nervosas que bloqueiam a transmissão de sinais de dor, modificando a sua percepção da dor. A outra teoria é que a estimulação nervosa aumenta o nível de endorfinas, que são o químico natural de eliminação da dor do corpo. As endorfinas bloqueiam então a percepção da dor. Veja também as diferenças entre unidades TENS e EMS.

Para que é usada a Neuroestimulação elétrica transcutânea (TENS)?

A terapia TENS tem sido utilizada ou está a ser estudada para aliviar tanto a dor crónica (longa duração) como a dor aguda (curta duração).

Algumas das condições mais comuns para as quais a TENS tem sido utilizada incluem:

  • Osteoartrose (doença das articulações).
  • Fibromialgia (dores e dores nos músculos, tendões e articulações em todo o corpo, especialmente ao longo da coluna vertebral.
  • Tendinite (uma inflamação ou irritação de um tendão).
  • Bursite (inflamação dos sacos cheios de líquido que amortecem as articulações).
  • Dores de parto.
  • Dores lombares baixas.
  • Dor pélvica crónica.
  • Neuropatia diabética (danos nos nervos que ligam o cérebro e a medula espinal ao resto do corpo).
  • Doença arterial periférica (“endurecimento das artérias” que circulam o sangue para o corpo).

Para que tipos de condições e áreas do corpo não deve ser utilizada a terapia TENS?

Não utilize a terapia TENS nestes locais específicos do corpo se tiver alguma das seguintes condições:

  • Um dispositivo implantável (cardioversor/defibrilador, neuroestimuladores, estimulador do crescimento ósseo, monitores de tensão arterial domiciliários). Não utilizar a terapia TENS sobre ou perto das áreas onde um dispositivo electrónico é implantado. A TENS pode causar o mau funcionamento destes dispositivos.
  • Durante Gravidez: Não aplicar a terapia TENS no abdómen; zona pélvica; lombar; ou em pontos de acupunctura no joelho, mão ou tornozelo. (Contudo, a TENS pode ser usada para dores de parto).
  • Cancro: Não aplicar eléctrodos em áreas do corpo onde há conhecimento ou suspeita de cancro. Não utilizar TENS se tiver dores não diagnosticadas e um historial de cancro nos últimos 5 anos.
  • Epilepsia:Não aplicar eléctrodos na cabeça, pescoço ou ombros. Os impulsos podem causar convulsões.
  • Trombose venosa profunda ou tromboflebite: Não utilizar a terapia TENS, pois pode aumentar a circulação sanguínea, o que pode aumentar o risco de desalojar um coágulo sanguíneo.
  • Uma desordem hemorrágica ou tecido recente ou activamente hemorrágico: A terapia de TENS pode aumentar a hemorragia no local do tecido ou aumentar o risco de hemorragia em pessoas com distúrbios hemorrágicos.
  • Doença cardíaca: Não aplicar a terapia TENS no peito se tiver doença cardíaca, insuficiência cardíaca ou arritmias.

Além disso, a TENS não deve ser aplicada:

  • A tecidos infectados, feridas devidas a osteomielite ou se tiver tuberculose. A terapia de TENS pode resultar na propagação de infecções.
  • A áreas de tecido que tenham sido recentemente tratadas com radiação.
  • À pele danificada (excepto para feridas abertas em que a intenção é usar a estimulação eléctrica para curar tecido. Nestes casos, a terapia deve ser orientada por um terapeuta especializado).
  • Perto ou sobre os olhos ou boca, frente ou lado do pescoço, ou sobre a cabeça.
  • Perto de órgãos reprodutivos ou genitais.
  • Para áreas do corpo que não têm ou têm sensação reduzida.
  • Em pessoas com dificuldades de comunicação ou com deficiência mental e que não possam fornecer feedback para garantir a utilização segura de TENS.

Se tiver quaisquer problemas de saúde actuais ou passados, ou quaisquer preocupações ou perguntas, verifique sempre com o seu prestador de cuidados de saúde antes de utilizar TENS.

As provas a favor das unidades TENS

Toda a investigação relativa às TENS está de acordo com os princípios básicos: As TENS podem, em teoria, reduzir a dor. Os detalhes práticos são objecto de muito debate, mas o consenso é que há pelo menos um punhado de aplicações em que TENS pode reduzir a dor também na prática.

Um estudo da literatura científica publicada em 2008 no Journal of Current Rheumatology Reports afirma que há um fluxo contínuo de novas provas científicas que apoiam a utilização da tecnologia TENS para analgesia em várias condições.

O facto de o artigo ter sido uma meta-análise significa que examinou muitos outros relatórios científicos sobre a eficácia das TENS para fazer um grande resumo de imagens. Assim, se o estudo  afirma que existem provas a favor da TENS, é muito semelhante a dizer que um monte de diferentes artigos científicos apoiam a TENS para uso analgésico.

Há, no entanto, uma subtileza nas conclusões do artigo. O artigo afirma que a intensidade da corrente é o maior factor de redução da dor nos doentes. Assim, se estiver a ter dificuldades em conseguir que a sua unidade TENS reduza a dor, poderá ter de brincar com a intensidade, quer aumentando-a quer diminuindo-a.

Um segundo estudo encontrou resultados semelhantes aos do primeiro. Esta segunda meta-análise alegou que muitos casos de estudos que encontraram resultados negativos na utilização de TENS para analgesia – ou seja, estudos que encontraram TENS ineficazes – foram atormentados por problemas metodológicos e pequenas amostras de tamanho.

Por outras palavras, muitas das descobertas científicas negativas podem ter sido incorrectas. É importante notar que ambas as meta-análises apenas examinaram a eficácia da TENS na dor músculo-esquelética.

A dor neurológica ou de órgãos não foi avaliada em nenhuma capacidade, e parece que os investigadores subsequentes não lançaram muita luz sobre a questão. Isto significa que poderá querer evitar usar a sua unidade TENS na dor de órgãos ou dores nos nervos.

Quais são as provas contra as unidades TENS?

Um estudo de 2010 da revista Neurology encontrou provas da eficácia mista das unidades TENS. Especificamente, o estudo descobriu que as unidades TENS eram ineficazes para o tratamento de dores crónicas nas costas.

Curiosamente, o estudo também disse que as unidades TENS eram eficazes para a neuropatia diabética, o que contradiz a investigação anterior, indicando que as TENS não são úteis para as dores nos nervos.

Isto significa que o estudo disse essencialmente o contrário, tal como outros estudos sobre o que achavam que as TENS eram benéficas e para o que achavam que as TENS não eram úteis.

No estudo, os investigadores afirmaram que as provas a favor da utilização de TENS para as dores crónicas nas costas não eram tipicamente sólidas do ponto de vista metodológico e que os estudos eram frequentemente conduzidos apenas com um pequeno número de participantes. Dado que vários outros estudos contradizem esta afirmação, pode ser seguro descartar a sua opinião.

O que dizem outros investigadores que é crítico em relação às TENS? Outro estudo é ambíguo quanto à eficácia das TENS em acalmar as dores lombares. Nesta meta-análise, os investigadores encontraram uma mistura de relatos contraditórios.

Alguns dos relatórios afirmam que os pacientes foram ajudados pela TENS. Outros relatórios afirmaram que não o foram. Depois de terem analisado todos os seus dados, os autores do estudo tiveram apenas algumas conclusões provisórias.

A primeira conclusão foi que TENS provavelmente não restaura a funcionalidade ou a amplitude de movimento em pessoas que têm dores crónicas nas costas.

Isto é compreensível, uma vez que TENS não faz alterações físicas ao tecido muscular ou à estrutura óssea que possam restaurar a funcionalidade. É provável que esta conclusão seja sólida e que haja poucos investigadores que a contestem, mesmo que sejam grandes defensores da TENS.

A sua segunda conclusão é que a TENS pode não conduzir a uma maior qualidade de vida para todos os doentes com dores crónicas nas costas. Para chegar a esta conclusão, os autores examinaram dois outros estudos, ambos com muitos participantes e uma boa base metodológica.

Um estudo afirmou que TENS não melhorou a qualidade de vida dos pacientes com dores lombares crónicas. O estudo afirmava-o com uma certeza “moderada”, o que, no jargão científico, é difícil de analisar. É pouco provável que os resultados sejam espúrios, mas a porta continua aberta para que os resultados sejam esclarecidos e refutados por um estudo posterior.

O outro estudo alegou que TENS melhorou significativamente a qualidade de vida dos pacientes numa ampla faixa de critérios.

Conclusão

Dado o nível de desacordo científico sobre a eficácia das TENS, pode parecer que as TENS são ineficazes. Contudo, não é este o caso. As discordâncias científicas nunca são tão simples como um lado acreditar em X e o outro lado acreditar em Y.

A maior parte das discordâncias sobre a eficácia de TENS é sobre as situações em que ela é mais útil aos pacientes. Todos os investigadores nos estudos TENS que discutimos neste artigo relataram que as provas que examinaram consideraram que TENS era eficaz em pelo menos alguns contextos diferentes.

Então, qual é o veredicto mais caridoso para as TENS? A TENS é amplamente eficaz, mas a sua eficácia varia muito de paciente para paciente e de protocolo para protocolo. A ideia de que TENS é um tratamento fictício ou que é activamente prejudicial não é apoiada por qualquer prova científica.

Isto significa que os pacientes devem estar prontos a passar muito tempo a aperfeiçoar o seu protocolo TENS se quiserem obter o maior alívio da dor.

Do mesmo modo, os doentes podem querer verificar a literatura científica para analisar as secções de métodos dos estudos que examinaram utilizando unidades TENS sobre dor que experimentam.

Se olhar para a secção de métodos dos artigos que consideraram o protocolo TENS útil para os doentes, tem uma boa hipótese de encontrar algo que funcione para si.


Referências

  • Gibson W, Wand BM, Meads C, Catley MJ, O’Connell NE. Transcutaneous electrical nerve stimulation (TENS) for chronic pain ‐ an overview of Cochrane Reviews. (https://www.cochranelibrary.com/cdsr/doi/10.1002/14651858.CD011890.pub3/full) Cochrane Database of Systematic Reviews 2019, Issue 4. Art. No.: CD011890. Accessed 11/18/2021.
  • Teoli D, An J. Transcutaneous electrical nerve stimulation (TENS). (https://www.statpearls.com/as/nervous/30449/) [Updated 2019 Nov 10]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing. Accessed 11/18/2021.
  • Electrotherapy. Transcutaneous Electrical Nerve Stimulation. (http://www.electrotherapy.org/modality/transcutaneous-electrical-nerve-stimulation-tens) Accessed 11/18/2021.
  • US National Library of Medicine. Effectiveness of Transcutaneous Electrical Nerve Stimulation for Treatment of Hyperalgesia and Pain. (http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2746624/) Accessed 11/18/2021.
  • Rennie S. Electrophysical Agents — Contraindications and Precautions: An Evidence-Based Approach to Clinical Decision Making in Physical Therapy. (https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3031347/pdf/ptc-62-special.pdf) Physiother Can 2010 Fall; 62(5):1-80. Accessed 11/18/2021.
  • Bellew JW, MIchlovits SL, Nolan, TP. Modalities for Therapeutic Intervention, 6th edition. FA Davis. Philadelphia, PA.2016. Chapter 11. Accessed 11/18/2021.

Teremos todo o prazer em ouvir os seus pensamentos

Deixe um comentário

Enable registration in settings - general